Quem se movimenta é mais feliz

A liberação de substâncias químicas durante a atividade física ajuda a reduzir o estresse e aliviar a ansiedade.

0
371

Seis horas da manhã. O despertador toca e você tem vontade de arremessá- lo pela janela. Ou, então, de virar para o lado e continuar a dormir. Mas, após alguns minutos de relutância, resolve se levantar da cama e fazer a sua caminhada matinal. “A parte mais difícil do exercício físico é sempre começar. Depois que começa, ninguém mais quer parar”, constata o professor de Educação Física Nuno Cobra, preparador físico, entre outros, de Rubens Barrichello.

Mas ninguém precisa ser piloto de Fórmula 1 para saber que a prática regular de exercício físico traz benefícios para a saúde.

Combate a obesidade, alivia o estresse, aumenta a resistência, melhora o humor, fortalece os ossos…

Melhora o humor? Mas como? “A prática de exercícios físicos aumenta o nível de neurotransmissores, como a noradrenalina, a serotonina e a dopamina, que produzem uma sensação de relaxamento e bem-estar no indivíduo”, explica o neurofisiologista Ricardo Mario Arida, da Unifesp.

Segundo os médicos, assim que o indivíduo começa a praticar um exercício físico, o sistema nervoso central já libera, na corrente sanguínea, substâncias que ajudam a acabar com o mau humor de qualquer um. A certa altura, essa produção atinge um determinado patamar, que torna a sensação de relaxamento e bem-estar perceptível.

O melhor de tudo é que essa sensação prazerosa tende a permanecer mesmo depois de terminado o exercício.

Abaixo a depressão!
Um detalhe curioso, segundo o cardiologista José Kawazoe Lazzoli, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME), é que a serotonina, uma das substâncias produzidas pelo sistema nervoso, “faz parte do mecanismo de ação de diversos medicamentos antidepressivos”. “A falta desse neurotransmissor é uma das principais causas da depressão”, completa o biomédico Maurício de Mello Martinho, do Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício (CEFE).

Por essa razão, a prática regular de exercícios físicos – pelo menos 30 minutos por dia, cinco dias por semana – costuma ser indicada para portadores de ansiedade e depressão.

“A prática regular de exercícios físicos está associada à melhora de diversas funções cognitivas, como memória e raciocínio, além de atuar também como um excelente ansiolítico e antidepressivo”,

observa o cardiologista José Lazzoli.

Mas, para os exercícios físicos surtirem o efeito desejado em pacientes ansiosos ou deprimidos, a série não pode ser das mais puxadas. “O recomendável é que o exercício seja difícil, mas não impossível de ser executado. Você nunca vai tirar um indivíduo da depressão se propuser uma série que ele jamais conseguirá cumprir. Em vez de melhorar a situação, você vai agravar o quadro depressivo do paciente”, pondera Nuno Cobra.

Efeito anestésico

Das muitas substâncias produzidas pelo corpo durante os exercícios físicos, uma chama a atenção em especial: a endorfina. Ao contrário das demais, ela promove alívio das dores após uma determinada carga de exercícios. Não por acaso, a palavra é uma junção de “endo” e “morfina”. Ou seja, a endorfina costuma ser descrita, por alguns especialistas, como uma espécie de “analgésico natural” já presente no corpo humano.

Mas não são todos os exercícios físicos que provocam no indivíduo aquela indescritível sensação de relaxamento e bem-estar. “Os predominantemente aeróbicos são os mais eficientes nesses casos”, assegura o fisiologista Raul Santo de Oliveira, também da Unifesp. Entre os “predominantemente aeróbicos”, ele cita três mais comuns: caminhada, corrida e natação. Mas enfatiza:

“O melhor esporte que existe é aquele que o indivíduo pratica por prazer.”

Por isso mesmo, nada de obrigar um sujeito que gosta de canoagem a fazer judô. Ou que adora tênis a praticar hipismo. “Algumas pessoas preferem esportes individuais. Outras, coletivos. Alguns, esportes terrestres. Outros, aquáticos. O segredo é adequar as exigências (físicas e psíquicas) do esporte ao nível das capacidades (físicas e psicológicas) do atleta”, ensina Renato Miranda, especialista em Psicologia do Esporte pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). “Por fim, para saber se um esporte terá consequências positivas no humor de um indivíduo, basta seguir o provérbio: ‘identifique-se com tudo o que você ama e preencha com isso a sua vida'”, diz.

O “humorômetro” da atividade física

Para aproveitar da melhora no humor, não é preciso ficar horas a fio na academia.

Veja quais atividades cotidianas já garantem o máximo de satisfação e bem-estar.
● Fazer compras no supermercado
● Praticar jardinagem
● Levar o cachorro para passear
● Descer e subir as escadas do prédio, em dias de chuva
● Caminhar pelo shopping em ritmo acelerado
● Fazer bicicleta ergométrica em casa
● Caminhar na praça próxima de casa e fazer novas amizades
● Jogar futebol com os amigos
● Passear de bicicleta com a família

5 dicas para melhorar a forma física
1. Mais importante do que escolher o exercício certo é praticá-lo na intensidade adequada. Exercício físico em excesso pode ser tão (ou mais) prejudicial à saúde quanto a falta dele.
2. Procure começar bem devagar e vá aumentando, gradualmente, o seu nível de esforço. Exercite-se até ficar ligeiramente ofegante, mas, em hipótese nenhuma, completamente sem fôlego.
3. Tente classificar a intensidade de seu exercício físico numa escala de zero a dez. Nela, o zero será atribuído ao repouso e o dez, à exaustão. O ideal é que a sua intensidade fique entre seis e sete.
4. Aumente em cerca de 10% o tempo ou a distância que você percorre por semana. Caso sinta desconforto, reconsidere a primeira meta estipulada até melhorar a sua resistência física.
5. Para aumentar o seu rendimento, procure praticar mais de um tipo de exercício físico. Variar entre modalidades esportivas melhora os resultados tanto anatômicos quanto fisiológicos.

Fonte: Revista Viva Saúde

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA